Publicação destaca potencial brasileiro de participação estratégica no mercado mundial

Os conceitos, usos e a legislação relacionados ao Hidrogênio Verde no Brasil são o tema do novo artigo técnico do Sergipe Parque Tecnológico (SergipeTec). As pesquisadoras do Núcleo de Energias Renováveis e Eficiência Energética de Sergipe (NEREES), Amanda Gonçalves e Fernanda Rodrigues, assinam o texto, que traz tópicos sobre normas e competitividade de custos.

A publicação aborda, entre outros aspectos, a produção de hidrogênio verde, resultado da eletrólise da água envolvendo fontes renováveis variáveis, como as energias eólica e solar. Algumas das vantagens deste combustível são sua alta densidade energética e a versatilidade de seu uso, além da possibilidade de funcionar como vetor de armazenamento de energia e o fato de ser livre de carbono (carbon free).

O artigo está disponível no site do SergipeTec, onde também é possível encontrar os demais textos que integram a série. Os artigos técnicos se destinam a pesquisadores, agentes públicos, investidores e outros interessados em temas conectados à matriz energética brasileira e sergipana.

Confira a prévia do artigo:

A descarbonização do planeta é um dos objetivos estipulados por países de todo o mundo até 2050.

As últimas estimativas da Agência Internacional de Energia (AIE), publicadas no final de 2019, vaticinam um aumento da demanda global de energia entre 25 e 30% até 2040 o que, em uma economia dependente do carvão e do petróleo, significaria mais CO2 e o agravamento das mudanças climáticas. Porém, a descarbonização do planeta nos propõe um mundo diferente até 2050: mais acessível, eficiente e sustentável e movido por energias limpas como o hidrogênio verde [1]. Nesse contexto, o hidrogênio aponta como uma prioridade na estratégia de energia e climática de diversos países, sobretudo, por viabilizar uma alternativa para setores de difíceis abatimento de emissões de carbono (hard-to-abate sectors) [2].

A seguir, conheça um pouco mais sobre esse elemento químico que promete ser o combustível do futuro. Saiba como ele é produzido, como o Brasil está inserido nesse contexto, as normas e legislações pertinentes, as possibilidades de usos nas próximas décadas e quais são as perspectivas de o hidrogênio verde se tornar competitivo.

Para continuar lendo, acesse o link.