Última atualização em 20/05/2024 às 10:33:05

Grupo Biowatt pretende investir na região do Baixo São Francisco com produção de biofertilizantes

A captação de investidores e diversificação de polos de produção são metas do Governo de Sergipe e nesta segunda-feira, 16, o governador Fábio Mitidieri recebeu representantes da empresa Biowatt Energia Verde, que pretende implantar polos de processamento de resíduos sólidos na região do baixo São Francisco. O grupo irá firmar protocolo de intenções com o Estado e pretende visitar as regiões que poderão receber unidades de produção.

A proposta é que sejam, inicialmente, quatro unidades de produção de biofertilizante, energia e hidrogênio verde no estado, nos municípios de Propriá, Cristinápolis, Nossa Senhora da Glória e Aracaju. Com uso de tecnologia canadense, que retém 95% de carbono dos insumos, a empresa utilizará como matéria-prima a biomassa macrófita (plantas encontradas no baixo São Francisco), resíduos frigoríficos e resíduos urbanos.

Na ocasião, o chefe do Executivo estadual pontuou a diversidade energética do estado e as vantagens do Programa Sergipano de Desenvolvimento Industrial (PSDI) para estimular a atração de novos negócios. Fábio Mitidieri destacou que é possível estabelecer parceria com o Sergipe Parque Tecnológico (SergipeTec) para realização de estudos e de pesquisa na área.

“Nosso foco é a geração de emprego. O país vive um momento de transição energética, e Sergipe está inserido no processo com nossa diversidade de matriz energética. Esse investimento, que pode chegar a R$ 700 milhões, pode gerar 740 empregos diretos e mais de mil indiretos”, apontou.

CEO da Biowatt, Luciano dos Santos Júnior informou que as quatro unidades podem gerar 12% da necessidade energética do estado. A empresa prospecta processar 1.200 toneladas de resíduos por dia em polos ligados a Aracaju; 500 toneladas de resíduos por dia em Cristinápolis; 200 toneladas de resíduos por dia em Nossa Senhora da Glória; e 95 toneladas de resíduos por dia e ainda 100 toneladas de biofertilizante por dia em Propriá, colocando Sergipe como o primeiro estado totalmente verde no quesito resíduos. “Um dos motivos de a empresa escolher Sergipe é o tamanho do estado, o que facilita o processo. Além da proximidade com o Porto”, pontuou.

De acordo com o secretário de Estado do Desenvolvimento Econômico e da Ciência e Tecnologia, Valmor Barbosa, o investimento colocará o estado no cenário de produção de energia verde.

“O hidrogênio verde faz parte da transição energética que nós estamos vivendo. Esse tipo de investimento é importante porque está se buscando a descarbonização e a redução da poluição. Temos, por exemplo, uma fábrica que está sendo construída na Bahia que vai produzir o hidrogênio verde. O Ceará já tem estudos avançados na área, a própria Petrobras já estuda parceria com outras empresas para produzir o hidrogênio verde, ou seja, é o futuro, e nós temos que cada vez mais aproveitar essa janela da oportunidade para estar produzindo essa energia limpa”, declarou.