Empresa emprega 155 funcionários no Distrito Industrial de Socorro

Com quase um século em atividade, a empresa Altenburg fabrica atualmente uma ampla linha de produtos, como edredons, colchas, roupas de cama, protetores, travesseiros e toalhas. Em Sergipe, o grupo está instalado no Distrito Industrial de Nossa Senhora do Socorro há cerca de 10 anos, trabalhando grandes marcas e incentivando as vendas por revendedores.

A empresa recebe incentivos fiscais do Governo do Estado, por meio do Programa Sergipano de Desenvolvimento Industrial (PSDI) e recentemente adquiriu também incentivos locacionais, por meio de subsídio, para aquisição de uma área da Companhia de Desenvolvimento de Sergipe (Codise), também no Distrito de Nossa Senhora do Socorro, onde está sendo construído um prédio próprio.

Atualmente o empreendimento conta com um contingente de 155 funcionários, número que deve dobrar nos próximos anos com a expansão da indústria. “O Governo do Estado tem oferecido incentivos fiscais e locacionais possibilitando que as empresas instalem suas indústrias com redução na tributação, além de um valor mais acessível no custo do aluguel ou compra do imóvel. Assim acontece com a Altenburg e com tantas outras empresas que são parceiras do estado e querem consolidar sua permanência em Sergipe”, frisa o secretário do Desenvolvimento Econômico Econômico,  José Augusto Carvalho.

A responsável pelo setor de Recursos Humanos da Altenburg, Cláudia Rodrigues, afirma que este incentivo irá ampliar a produtividade da empresa. “O governo nos cedeu este terreno e já começamos as obras com intuito de finalizá-las até o ano que vem. Com isso, nós temos a meta de dobrar o número de funcionários, ou seja, mais geração de emprego para a população”, completa.

No cargo de supervisão, a funcionária Vivian Rocha pontua que a empresa proporciona o crescimento de seus colaboradores. “Quando a Altenburg chegou a Sergipe, eu entrei como costureira iniciante, fui me destacando no setor de enchimento de travesseiros e no momento, estou como supervisora. Aprendi bastante com essa oportunidade de trabalho”, ressalta. Sheila Maica, costureira antiga da casa, também enxerga essa evolução. “Todos os dias aprendemos coisas novas por aqui. Sempre que chega um produto novo, desenvolvemos juntos”, conclui.